Psicopata Americano: vamos falar sobre?

Psicopata Americano

Ontem eu postei aqui uma lista com quatro dos melhores filmes de serial killers do cinema. E dentre eles eu citei o filme Psicopata Americano, protagonizado por Christian Bale. E, após escrever a matéria, senti uma vontade muito grande de rever aquele filme. Isso porque o filme é muito interessante, principalmente para pessoas, como eu, que gostam de ver estudos sobre a psiquê humana. E Psicopata Americano é um destes filmes que trata da psiquê e das relações humanas. Entretanto, de uma forma no mínimo confusa. Isso faz com que muita gente, após assistir ao filme, não entenda e acabe não gostando. Por isso, hoje eu vim explicar um pouco o meu ponto de vista sobre o filme.

Se você ainda não assistiu, eu vou te dar uma breve sinopse do filme. “No enredo deste filme, no ano de 1987 um jovem rico chamado Patrick Bateman tem uma segunda vida como um assassino em série durante a noite.” E se você realmente não viu o filme, aconselho assisti-lo primeiro e depois voltar aqui. Ele está disponível na Netflix.

Não pretendo me aprofundar a muitos detalhes da história, mas sim trazer, brevemente, duas explicações para o filme. Os dois entendimentos podem conter furos, seja por causa do filme ou por eu não ter me atentado a outros detalhes. Entretanto, são ótimos pontos de partida para repensar o filme.

Entendendo Psicopata Americano

Serial Killers - Psicopata Americano

Antes de começar a explanar as duas interpretações, eu preciso abrir um breve parentese aqui. Isso porque o filme chama-se Psicopata Americano. Entretanto, psicopatas não sentem remorso ou choram por seus atos. E no filme, Patrick acaba chorando quando liga para seu advogado confessando seus crimes. Isso já descategoriza o personagem como psicopata. Entretanto, isso não quer dizer que ele não possui um problema. Mas, ao invés de psicopata, ele pode ser considerado psicótico. E fica ligado neste termo, pois, ele servirá de embasamento para as explicações. Então vamos lá.

Primeira Interpretação do Filme

Bom, a primeira interpretação do filme leva em conta os fatos apresentados. Isto é, tudo o que aconteceu no filme REALMENTE aconteceu. Ou seja (mais uma explicação), Bateman cometeu aqueles assassinatos e aquelas mentiras. “Então por que no final não acontece nada com ele?”  É aí que entra a grande crítica do filme, meu amigo.

Se você prestar atenção, o filme está o tempo inteiro mostrando como a alta sociedade americana é esnobe e não se importa com nada além das aparências. Isso é expressado em uma enorme escala no próprio Bateman. Basta ver a revolta que ele sente ao ser tocado, ao achar os cartões de outros funcionários melhores que os dele. O protagonista não é o único personagem que tem isso em mente, todos também possuem isso em suas personalidades.

Uma grande prova que nenhum dos personagens realmente se importa apenas com suas reputações e aparências, é que eles nunca sabem os nomes uns dos outros. O personagem Paul Allen, uma das vítimas de Patrick, achava que Patrick era, na verdade, Marcus Halberstram.

E é por isso que nada mudou ao final do filme. As pessoas sabiam do que aconteceu, mas não se importam, não ligam, não perceberam. O próprio advogado de Patrick afirma ter encontrado Allen em Londres. Mas Allen estava morto. O advogado não sabia realmente quem era Paul, apenas achou tê-lo encontrado, por não saber o nome das pessoas.

Mesmo com tudo de ruim que aconteceu, nada mudou, pois, como diz o próprio Bateman ao fim do filme “o interior não importa”, o que importa são as aparências.

Segunda Interpretação do Filme

Essa interpretação já pode ser considerada um pouco mais viajada do que a primeira. Isso porque ela foca na questão mental do personagem. O tempo todo parece que estamos vendo delírios de Patrick. E é por isso que o fato de considerá-lo psicótico é tão importante. Patrick possui alucinações nas quais se vê fazendo o que realmente queria fazer. A maior prova disso é na cena em que ele vai ao bar e fala que vai matar a atendente. Ela não pareceu muito indiferente ao que ele disse? Será que ela não ouviu por causa do som alto? Ou será que tudo se passou apenas na mente de Bateman?

Tá legal, então se assumirmos as alucinações, isso explica os assassinatos do filme e nos faz acreditar que eles não aconteceram. Mas e se eu te disser que esta interpretação vai ainda mais além na psiquê de Patrick Bateman?

Sobre os outros personagens

Você notou algo estranho nos cartões de visita dos funcionários da empresa em que ele trabalha? Não? Reveja a cena a seguir e tente visualizar.

A primeira coisa que você deve notar é que, apesar de alguns detalhes, os cartões são exatamente iguais no formato. E agora vem o mais bizarro: todos os cartões identificam os personagens como vice-presidentes da empresa. Quando, na verdade, todos sabemos que o vice é o próprio Patrick, principalmente pela empresa ser de seu pai. Sabe onde eu quero chegar, não é?

Basicamente todos estes personagens que trabalham com Patrick, nesta interpretação, não são reais. Na verdade, eles são apenas partes da personalidade de Patrick. Um mais esnobe, um mais descolado, um com a homossexualidade reprimida… e o próprio Patrick, uma pessoa frustrada e totalmente obcecada com sua aparência. E isso explicaria porque todos os personagens próximos a Bateman se importam tanto com coisas superficiais.

E, para terminar, tem o detetive, não é? Se você lembra dele, deve pensar “Mas… se nada aconteceu, porque havia um investigador atrás de Paul Allen?” Pois é, segundo esta interpretação, até o detetive também fazia parte da mente de Patrick. Note que durante o filme, ele é o único que parece realmente se importar com o que o protagonista tem a dizer. E, também, é o único que parece desconfiar e confiar ao mesmo tempo.

Quando o investigador desconfia de Patrick, ele está sendo a parte do piscótico que deseja revelar sua parte mais escura. Mas quando ele mostra confiar em Patrick, como quando afirma que ele estava com os amigos na noite do desaparecimento, ele é a parte do psicótico que quer fugir deste lado obscuro. Isto é, quer ser apenas um cara comum e estava apenas jantando com seus amigos.

Uma das provas que o detetive é parte de Bateman, é que ele sempre parece saber o que “aconteceu”.

Mas e você? Já havia assistido Psicopata Americano? Concorda com a minha interpretação? Não concorda? Então comenta a sua! 😀
Lucas Gabriel

Estudante de Tecnologia da Informação, apaixonado por cinema, música e boas histórias de terror e drama! Adora discutir teorias malucas sobre séries ou filmes. Nerd assumido desde pequeno. Fã do Quentin Tarantino (inclusive acredita na teoria de que todos os filmes formam um só), Star Wars, Harry Potter, FRIENDS e filmes, como Laranja Mecânica, Donnie Darko e Nosferatu.