O Chamado: As Melhores Curiosidades

Inspirado no sucesso japonês Ringo, o filme que nos apresentou a Sadako, entidade maligna que saia de um poço e viria para lhe matar em sete dias, O Chamado se tornou um dos maiores ícones do terror de todos os tempos. Quem não se lembra da marcante cena em que Samara saí da TV para perseguir os meros mortais? O longa-metragem foi lançado no dia 2 de outubro de 2002 e se tornou um sucesso mundial, arrecadando mais de 250 milhões de dólares em bilheteria. Hoje conheceremos algumas das melhores curiosidades da produção de The Ring – título original da série – que foi dirigido por Gore Verbinski, com roteiro de Ehren Kruger e baseado na obra de Kouji Suzuki.

As Melhores Curiosidades de O Chamado

  • Quando o diretor Gore Verbinski assistiu ao filme Ringo, versão original japonesa, pela primeira vez, ele o fez com uma velha dita VHS. Isso o ajudou a amar ainda mais o enredo, uma vez que a história gira em torno de uma fita VHS amaldiçoada. Imersão maior? Impossível.
  • Os direitos autorais da história foram comprados por 1 milhão de dólares e foram necessários 48 milhões para sua produção. Mas isso não é nada se compararmos ao que a produtora conseguiu arrecadas com o lançamento do longa-metragem americano.
  • Não existem muitas sombras na produção americana. Como o clima estava meio nublado e chuvoso durante toda a filmagem, a ausência de luz fez com que o contraste se tornasse baixíssimo, e isso não foi aleatório. O diretor de fotografia, Bojan Bazelli, quis que esse efeito acontecesse, para causar uma sensação de isolamento dos personagens.

  • O farol Moesko existe, mas seu verdadeiro nome é Yaquina Head. Ele está localizado na foz do rio Yaquina, no estado norte-americano do Oregon.
  • O nome da equipe de produção de O Chamado se chama The Ring (O Anel, em tradução livre – também é como se chama o livro que originou tudo), por isso existem várias “mensagens subliminares” durante o longa-metragem. Como assim? Você pode ver círculos em todos os lugares! Nas paredes, carpetes, roupas, portas… em todo canto tem um circulo, representando um anel.
  • Uma curiosidade extra é que o nome original do filme tem vários significados. The Ring pode ser uma onomatopeia para um toque ou campainha, pode significar telefonema e, até mesmo, anel. Por isso a equipe de produção se referencia como um circulo.
  • Uma outra mensagem escondida é que alguns frames do vídeo original da Samara foram inseridos dentro do longa-metragem, entre frames comuns.
  • Existe uma rivalidade marcante entre a Austrália e a Nova Zelândia, algo parecido com o que vemos aqui na América do Sul, com o Brasil e a Argentina. Mas, qual a importância dessa informação? Acontece que os atores Naomi Watts e Martin Henderson, que interpretam um casal separado, são, respectivamente, uma australiana e um neozelandês. Isso foi pensado justamente para aumentar o clima de tensão entre os dois durante as filmagens.

  • Mas nem sempre foi Naomi a primeira opção. Antes dela, outras atrizes foram consideradas, entre elas Jannifer Connelly, Gwyneth Paltrow e Kate Beckinsale. Todas recusaram o papel.
  • Na versão da exibição-teste, existe um ator que foi cortado na versão final. Se trata de Chris Cooper, renomado interprete que já ganhou um Oscar. Ele interpretou um criminoso que aparecia no começo e no final do filme, apenas em duas cenas, para receber a fita amaldiçoada. Mas a pergunta é, por que o cortaram definitivamente? Isso aconteceu pois o público não gostou do fato dele ter uma participação mínima, sendo assim, a produção decidiu corta-lo definitivamente.
  • A Samara é interpretada por Daveigh Chase, uma atriz mirim que, na época do lançamento, tinha apenas 12 anos. Se você acha que é besteira ter medo da personagem, saiba que a própria Chase teve medo quando se viu nas telonas. Mas tudo isso valeu a pena no final, uma vez que a jovenzinha ganhou o prêmio MTV Movie Awards como Melhor Vilão.

Já assistiu O Chamado? O halloween está chegando, tem época melhor para aproveitar um bom filme de terror? Deixe um comentário logo abaixo e nos diga o que achou de saber um pouco mais sobre esse clássico dos cinemas.

Júlia Campos

Oficialmente, estudante de design e técnica de informática. Nas horas vagas, ilustradora, modelo e escritora. Sou apaixonada por jogos, gamedesign e cultura oriental no geral, as vezes até pareço ser uma Geek assumida. Fã da autora Maggie Stiefvater e amante de séries de suspense, mistério e terror (as vezes arriscando um romancezinho).