Confira os destaques do Festival de Brasília 2018

Podemos dizer que as últimas semanas tem sido as semanas das premiações. Do dia 14 ao dia 23 de setembro ocorreu o 51º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, o mais tradicional evento na área que temos no Brasil. É muito mais além do que um festival de premiações, é mais de uma semana inteira de atrações e exibições de produções nacionais por toda a área de atuação da equipe, o Cine Brasília. O objetivo do evento é claro: abrir as portas para os produtores brasileiros que querem entrar com tudo no ramo cinematográfico. Todos os anos, centenas de obras são exibidas nos telões do Festival de Brasília, o que expande bastante o alcance das pequenas produções nacionais. Esse ano, o evento trouxe grandes nomes do cinema internacional para prestigiar os quase 10 dias de atividades, o que rendeu aos filmes inscritos no projeto prêmios e a oportunidade de serem vistos pela grande mídia.

Mas isso é apenas uma rápida contextualização sobre o que é o Festival de Brasília. É quase impossível falar sobre tudo que aconteceu e mudou nos mais de 50 anos de existência do evento. Estamos aqui, fazendo nossa parte, pensando em dar um pouquinho mais de visibilidade para as nossas brilhantes, e tão subjugadas, produções nacionais. Vale a pena conferir cada uma delas!

Prêmios da Mostra Competitiva

Longa-metragem

Melhor filme (Prêmio Técnico Dot Cine): Temporada

Melhor direção: Beatriz Seigner (Los Silencios)

Melhor ator: Aldri Anunciação (Ilha)

Melhor atriz: Grace Passô (Temporada)

Melhor ator coadjuvante: Russão (Temporada)

Melhor atriz coadjuvante: Luciana Paes (A Sombra do Pai)

Melhor roteiro: Ilha, Ary Rosa e Glenda Nicácio

Melhor fotografia: Temporada, Wilsa Esser

Melhor direção de arte: Temporada, Diogo Hayashi

Melhor trilha sonora: Bixa Travesty

Melhor som: A Sombra do Pai, Gabriela Cunha

Melhor montagem: A Sombra do Pai, Karen Akerman

Júri Popular

Melhor longa-metragem (Prêmio Petrobras de Cinema e Prêmio Técnico Canal Curta!): Bixa Travesty

Prêmio Especial do Júri

Longa-metragem: Torre das Donzelas

Menção honrosa do Júri

Bixa Travesty, pelo posicionamento e impactante apresentação da dupla Linn da Quebrada e Jup do Bairro.

Curta-metragem

Melhor filme (Prêmio Técnico Dot Cine): Conte isso àqueles que dizem que fomos derrotados

Melhor direção: Nara Normande (Guaxuma)

Melhor ator: Fábio Leal (Reforma)

Melhor atriz: Maria Leite (Mesmo com tanta agonia)

Melhor ator coadjuvante: Uirá dos Reis (Plano Controle)

Melhor atriz coadjuvante: Noemia Oliveira (Eu, minha mãe e Wallace)

Melhor roteiro: Reforma, Fábio Leal

Melhor fotografia: Mesmo com tanta agonia, Anna Santos

Melhor direção de arte: Guaxuma, Nara Normande

Melhor trilha sonora: Guaxuma, Normand Roger

Melhor som: Conte isso àqueles que dizem que fomos derrotados, Nicolau Domingues

Melhor montagem: Plano Controle, Gabriel Martins e Luisa Lana

Menção honrosa de atriz coadjuvante: Mesmo com tanta agonia, Rillary Rihanna Guedes

Temporada levou 5 prêmios para casa, A Sombra do Pai arrecadou três troféus, assim como Bixa Travesty, que impactou o público e o júri especializado no local. O curta-metragem Mesmo com tanta agonia também foi destaque no evento.

E você? Teve a oportunidade de ver isso de perto? Deixe sua opinião nos comentários abaixo!

Júlia Campos

Oficialmente, estudante de design e técnica de informática. Nas horas vagas, ilustradora, modelo e escritora. Sou apaixonada por jogos, gamedesign e cultura oriental no geral, as vezes até pareço ser uma Geek assumida. Fã da autora Maggie Stiefvater e amante de séries de suspense, mistério e terror (as vezes arriscando um romancezinho).