O grande prêmio do cinema brasileiro: confira a lista completa de vencedores

Na última noite do dia 18, aconteceu o Grande Prêmio do Cinema Brasileiro 2018. O evento acontece anualmente, organizado pela Academia de Cinema Brasileiro, e concede o Grande Otelo aos filmes feitos nesse enorme país (e alguns estrangeiros). Esse ano, quem se destacou foi o filme Bingo – O Rei das Manhãs, que levou para casa oito estatuetas. O longa conta a história de Arlindo Barreto, ex-interprete do palhaço Bozo, que se destacou na década de 80 como apresentador. Com direção de Daniel Rezende, produção de Gullane Filmes e roteiro Luiz Bolognesi, foi aos cinemas em 24 de agosto de 2017, distribuído pela Warner Bros.

O esquema de votação do Grande Prêmio do Cinema Brasileiro é um pouco diferente do que estamos acostumados aqui no Brasil.bas Tanto a organização quanto a votação são feitas pelos próprios profissionais, algo que acaba estimulando o reconhecimento nacional das obras. E sim, você pode ser um sócio, basta entrar no site do evento e fazer sua pré-inscrição, que será avaliada. Por falar em site, desde 2004 a votação está sendo realizada digitalmente e quem apura os resultados é a PricewaterhouseCoopers, responsável pela apuração do Oscar.

Mas, sem mais delongas, veja abaixo a lista completa de vencedores do Grande prêmio do Cinema Brasileiro!

Vencedores do Grande Prêmio do Cinema Brasileiro 2018

Longa-metragem de Ficção: “Bingo – O rei das manhãs”

Longa-metragem Documentário: “Divinas divas”

Longa-metragem Comédia: “Divórcio”

Longa-metragem Animação: “Historietas assombradas – O filme”

Longa-metragem Infantil: “Detetives do Prédio Azul”

Direção: Laís Bodanzky (“Como nossos pais”)

Atriz: Maria Ribeiro (“Como nossos pais”)

Ator: Vladimir Brichta (“Bingo – O rei das manhãs”)

Atriz Coadjuvante: Sandra Corveloni (“A Glória e a Graça”)

Ator Coadjuvante: Augusto Madeira (“Bingo – O Rei das manhãs”)

Direção de Fotografia: Lula Carvalho (“Bingo – O Rei das manhãs”)

Roteiro Original: Mikael de Albuquerque e Lusa Silvestre (“A Glória e a Graça”)

Roteiro Adaptado: Mikael de Albuquerque (“Real – O plano por trás da História”)

Direção de Arte: Cássio Amarante (“Bingo – O Rei das manhãs”)

Figurino: Verônica Julian (“Bingo – O Rei das manhãs”)

Maquiagem: Anna Van Steen (“Bingo – O Rei das manhãs”)

Efeitos Visuais: Ricardo Bardal (“Malasartes e o duelo com a morte”)

Montagem Ficção: Márcio Hashimoto (“Bingo – O Rei das manhãs”)

Montagem Documentário: Natara Ney (“Divinas divas”)

Som: George Saldanha, François Wolf e Armando Torres Jr (“João, o maestro”)

Trilha Sonora Original: Plínio Profeta (“O filme da minha vida”)

Trilha Sonora: Mauro Lima, Fael Mondego e Fábio Mondego (“João, o maestro”)

Longa-metragem Estrangeiro: “Uma mulher fantástica”

Curta-metragem de Animação: “Vênus-filó, a fadinha lésbica”

Curta-metragem Documentário: “Ocupação do Hotel Cambridge”

Melhor Curta-metragem Ficção: “A passagem do cometa”

Voto Popular – Longa Brasileiro: “Bingo – O Rei das manhãs”

Voto Popular – Longa Estrangeiro: “La La Land: cantando estações”

Voto Popular – Longa Documentário: “Cora Coralina”

A industria cinematográfica brasileira está evoluindo cada vez mais e é nossa responsabilidade apoia-la. Você já assistiu a alguma dessas produções? Deixe sua opinião nos comentários!

Júlia Campos

Oficialmente, estudante de design e técnica de informática. Nas horas vagas, ilustradora, modelo e escritora. Sou apaixonada por jogos, gamedesign e cultura oriental no geral, as vezes até pareço ser uma Geek assumida. Fã da autora Maggie Stiefvater e amante de séries de suspense, mistério e terror (as vezes arriscando um romancezinho).