Laranja Mecânica: As Melhores Curiosidades

Considerado um dos maiores projetos da vida do diretor Stanley Kubrick, Laranja Mecânica (A clockwork orange) é um filme baseado no livro de mesmo nome do autor Anthony Burgess, escrito em 1962. Sem duvidas, uma obra polêmica que chegou a ser proibida nos cinemas do Reino Unido por pedido da própria produção. Já no cartaz do filme podemos ler “Being the adventures of a young man whose principal interests are rape, ultra-violence and Beeethoven.” Que, se traduzirmos para o português, temos: “Sendo as aventuras de um jovem rapaz cujos principais interesses são estupro, ultra-violência e Beethoven”. É, digamos apenas que não é um filme para quem não tem estomago para essas coisas.

Mas acontece que, querendo ou não, o satírico filme foi e continua sendo um sucesso. Seu lançamento ocorreu em 1971 e, resumidamente, narra as aventuras do sociopata Alex, interpretado por Malcolm McDowell), e seus droogs. Tudo isso em uma Grã-Bretanha completamente distópica. Em 2011 o filme ganhou uma restauração digital em 4K, para comemorar os 40 anos desde seu lançamento. E, agora, trago até vocês uma lista com as melhores curiosidades do longa e de sua produção!

As Melhores Curiosidades de Laranja Mecânica

  • O sobrenome de Alex nunca foi revelado na obra original. Acredita-se que o DeLarge tenha vindo de uma citação do personagem no livro, onde ele chama a si mesmo de “Alexander the Large” (Alexander o grande, em português).
  • Certa vez Stanley Kubrick fez uma declaração interessante em entrevista. Segundo o diretor, se Malcolm, interprete de Alex, não tivesse aceitado participar do elenco do filme, ele, provavelmente, teria desistido do projeto.

  • E por falar no livro, Anthony Burgess estava desesperado por dinheiro e vendeu os direitos da obra para adaptação por apenas US$ 500,00 para Mick Jagger que, por sua vez, revendeu por uma quantia muito maior. Jagger planejava fazer o longa tendo os Rolling Stones como droogs, mas a ideia não deu certo.
  • O filme criou um set de filmagens único da trama, construído do zero especialmente para as gravações de Laranja Mecânica. Ele foi batizado de Korova Milk Bar, sendo que o primeiro nome significa “vaca” em russo. Além disso, existem inúmeras estatuas inspiradas no trabalho do escultor Allen Jones.

  • Você sabia que o motivo de Basil, a cobra, existir é apenas porque Stanley descobriu que Malcolm tinha medo dela? Sim, o ator sempre teve pavor de cobras.
  • Outra coisa inusitada que Kubrick fez foi cometer descontinuidades intencionais no filme. Você não precisa estudar cinema para saber que, quando objetos movem-se sem interação dos personagens no cenário, algo está errado. Isso ocorreu no filme de Stanley, porém segundo o direto, tudo era intencional. Mudando pratos na mesa e volumes de bebidas em várias tomadas, a direção tentava causar a sensação de desorientação no espectador.

  • E quem não se lembra da forma estranha como Alex falava? O escritor Anthony Burgess foi o responsável pela criação da linguagem utilizada pelo personagem, o Nadsat. Ele misturou palavras do inglês, do russo e algumas gírias londrinas. Bem sacado, não?
  • A cena em que Alex canta “Singing in the Rain” enquanto ataca o escritor e sua esposa? Ela não estava planejada. Kubrick teria ficado quatro dias tentando criar uma boa ideia, mas não conseguia. Logo, ele perguntou a Malcolm se ele podia dançar e assim ele o fez. Começou a cantar e dançar a única música que ele lembrou na hora. Stanley ficou tão fascinado com a ideia que não pensou duas vezes antes de comprar os direitos da canção por 10 mil dólares.

  • Por falar nisso, o uso do tema de “Cantando na Chuva” causou alguns problemas para McDowell. Um deles foi que, ao encontrar Gene Kelly, anos depois, o ator veterano teria se retirado da festa indignado. Gene nunca gostou da forma como sua versão de “Singing in the Rain” foi usada por Malcolm e Kubrick.
  • Já o médico que acompanhou Alex enquanto ele era forçado a assistir filmes violentos é realmente um médico. Ele estava ali para se assegurar que seus olhos não ressecassem e para anestesia-los e evitar o desconforto. Mesmo assim, suas córneas foram arranhadas pelos grampos de metal e McDowell considera essa uma das suas piores cenas de sua vida profissional.

  • A cena em que Alex conversa com o padre sobre a terapia Ludovico é uma recriação da pintura de Vincent van Gogh chamada “Prisioneiros se Exercitando”. Nela, é possível ver vários prisioneiros marchando em círculo pelo pátio, coisa que também acontece no filme.
  • O filme recebeu inúmeras indicações ao Oscar e ao Globo de Ouro, incluindo a de Melhor Filme e Melhor diretor, em ambos os eventos. Além disso, também houveram as indicações aos Oscar de Melhor Roteiro Adaptado e Melhor Edição, também houve a indicação de Melhor Ator no Globo de Ouro, tendo como interprete escolhido o próprio Malcolm McDowell.

  • Detalhe que no Brasil o filme entrou para a lista dos proibidos pela censura. Isso fez com que muitos amantes do cinema fossem assistir Laranja Mecânica em países vizinhos. Sem falar que, quando foi finalmente liberado por aqui, ele foi completamente censurado, mesmo que a classificação indicativa fosse para maiores de 18 anos.
  • Você já parou pra pensar em por que o nome “Laranja Mecânica”? Segundo o autor do livro A Clockwork Orange, a palavra Orange (que significa laranja em inglês) não está aí para ser traduzida da forma literal. Anthony notou a semelhança da palavra “orange” com “orangutan”, que significa orangotango. Pelo fato do orangotango ser considerado um “parente” do ser humano, “orange” foi posto no dicionario de Nadsat como uma possível palavra para “homem”. Logo, a tradução literal seria “Um Homem Mecânico”, não “Uma Laranja Mecânica”.

  • Uma curiosidade extra é que o livro em que Frank Alexander estava trabalhando se chamava “A clockwork orange”, mesmo nome do livro que inspirou o longa.
  • A primeira versão do filme tinha quatro horas de duração. Algum tempo depois, Kubrick mandou seus assistente destruir todo o material que não foi usado.

E você? Já assistiu o filme? O que achou dele e de suas curiosidades? Compartilhe conosco um pouco de seu conhecimento!

Júlia Campos

Oficialmente, estudante de design e técnica de informática. Nas horas vagas, ilustradora, modelo e escritora. Sou apaixonada por jogos, gamedesign e cultura oriental no geral, as vezes até pareço ser uma Geek assumida. Fã da autora Maggie Stiefvater e amante de séries de suspense, mistério e terror (as vezes arriscando um romancezinho).