Mãe! – Uma Análise Das Metáforas de Aronofsky

Mãe!

Ano passado, um filme muito me intrigou por seu aspecto a princípio sem sentido. Lembro de ter ficado um bom tempo, após o filme, refletindo sobre tudo o que havia acontecido. Poucos diretores conseguem imprimir em seus filmes este aspecto a causar reflexão no público. Mas um diretor, em específico, já conseguiu isso por diversas vezes: Aronofsky. Darren Aronofsky realizou O Lutador com Mickey Rourke que é um filme dramático que causa isso. Posteriormente, ele realizou Cisne Negro, com a Natalie Portman, e esse já tomou um aspecto mais sombrio. E o ápice, até agora, dos filmes do diretor se concretiza aqui, com o filme “Mãe!” pois a quantidade de metáforas e cada acontecimento pode causar nos mais despreparados um sentimento ruim. Foi essa a intenção dele em sua obra prima.

Como o filme é completamente cheio de metáforas e levanta ótimas discussões, pensei em trazer uma análise das principais metáforas mostradas no filme. Eu diria que é quase impossível trazer TODAS elas, pois, muitas tratam-se mais da interpretação do que um sentido verdadeiro. Ainda assim, as mais importantes seguem uma linha de raciocínio muito mais concreta, mesmo podendo assumir diversas interpretações. Este é um filme que não acontece apenas no foco principal, mas também em seus detalhes. Vocês vão perceber isso ao decorrer da análise.

Mãe - Poster

Analisando As Metáforas de Arnofosky Em Mãe!

  • Os Personagens

O filme possui especificamente cinco personagens em foco e um que merece mais atenção do que o resto dos “coadjuvantes”. Vou explicar cada um destes seis personagens agora.

– A Mãe

Para começar, vamos com a real protagonista, vivida pela Jennifer Lawrence: A Mãe. Bom, a personagem é uma referência à mãe-natureza. Isso porque, como é visto no filme, ela é criada para ser assim. Ela se preocupa com a casa, que é, na metáfora, o nosso mundo. Sempre querendo manter tudo em ordem, como a natureza gosta de fazer. Ela mesma pinta a casa, deixa tudo “nos trinques”. Portanto, na metáfora, Jennifer Lawrence vive a Mãe-Natureza.

Mãe - Jennifer Lawrence

– Ele

O filme possui um segundo protagonista representado por Javier Bardem. Honestamente, para mim, ele é um dos melhores atores da atualidade, sua atuação sempre é incrível e neste filme de Aronofsky, Javier teve o difícil trabalho de interpretar Deus. Isto mesmo, o dono da casa é o Todo-Poderoso. Bom, se você entendeu o princípio da casa ser nosso mundo, o planeta Terra, e tem noção religiosa, fica mais claro que ele seja Deus. Quando o homem chega em sua casa, ele fica feliz, quer deixar que ele sempre esteja confortável. Inclusive ele quem cria a “Mãe” no início do filme e a recria ao final. Outro indício de que ele seja Deus é devido a, nos créditos, seu nome estar registrado como “Him”, ou “Ele”. Principalmente por começar com letra maiúscula, enquanto os outros nomes estão todos em minúsculo.

Him - Mãe!

– O Casal

Os coadjuvantes em foco, o casal que se hospeda na casa vividos pela Michelle Pfeiffer e Ed Harris. O casal é o primeiro a entrar na casa, depois de Deus e da Mãe-Natureza. Biblicamente falando, quem foram os primeiros? Adão e Eva, exatamente, o casal que entra na casa é Adão e Eva. A forma encantada de Adão olhar para Deus, a inicial ingenuidade e fragilidade. Eva, sempre muito provocativa, arrogante e cheia de si, desafiando os donos da casa.

Mãe - Adão e Eva

– O Povo

Um “personagem” muito importante que aparece durante o filme é a população. Sim, o povo que invade a casa de Javier e Lawrence. Enquanto Adão e Eva entram e fazem uma pequena bagunça, o restante do pessoal que entra na casa, começa a acreditar que a casa é deles e podem fazer o que quiserem. Quebram a casa inteira deliberadamente, e, enquanto o personagem de Javier parece não se preocupar, a Mãe fica desesperada tentando consertar tudo. O filme, na verdade, se trata, além da grande alegoria bíblica, de um manifesto ecológico. Pois, mostra como nós, seres humanos, tratamos a casa que nos foi dada, o mundo.

Mãe!

– O Bebê

O personagem que eu disse não possuir ter muito foco, mas merece uma grande importância é o bebê. Após algum tempo de filme, a Mãe fica grávida e passa por muitos trancos e barrancos. Enquanto ela está grávida, existe um amor crescendo muito entre ela e o Dono da Casa. Durante o nascimento do bebê, tudo parece ficar calma e quieto. Depois de um tempo, todos querem ver a criança, tocá-la e tudo. A mãe se recusa a entregá-lo, mas o proprietário da casa faz questão de exibi-lo para seus fãs, que o matam deliberadamente. Você lembra de alguém que teve uma vida assim na Bíblia? Isso, a criança é Jesus.

  • Os Objetos

Ao decorrer do filme, alguns objetos chamam a atenção do espectador e não é a toa que chamem, eles possuem total importância nas metáforas das cenas em que aparecem. Vou explanar sobre alguns aqui.

– A Pedra d’Ele

Um objeto que ganha muito foco ao decorrer do filme, especialmente no início e no fim é a pedra guardada no escritório de “Deus”. Bom, ela é um artefato utilizado por ele para fazer tudo e todos, assim como também é utilizada como analogia ao fruto proibido. É por ela que Ele refaz tudo, após o grande desastre, e por ela que Ele cria a Mãe.

Mãe

– O Poema

Em determinado ponto, Ele escreve um poema que julgou ser o mais lindo que já escreveu. Ao mostrar para a Mãe, ela se vê emocionada com tais palavras e logo o texto é publicado e pessoas passam usá-lo de guia para sua vida. O poema d’Ele é nada menos do que a Bíblia. Muitos dizem que a Bíblia foi escrita por Deus por meio de homens, neste caso, Deus mesmo quem escreveu o poema. Mas é sim, a exata alusão à Bíblia.

– A Bebida Amarela da Mãe

Então, gente… este é o mais enigmático do filme. Aronofsky mesmo disse que este mistério morreria com ele. Você deve ter notado que a Mãe, diversas vezes bebe um líquido amarelo quando está se sentindo mal. Até hoje ninguém conseguiu desvendar exatamente o que seria aquilo. Ao ser questionado sobre, o diretor limitou-se a dizer que tratava-se de uma relação com novelas vitorianas. Confira a resposta de Darren: “Oh não, essa é uma que eu não quero responder [Risos] Eu acho que Jen tem uma resposta melhor pra isso do que eu. Vamos dizer que tem relação com as novelas vitorianas e esta ideia de uma profunda conexão entre ela e a casa. Mas eu não gostaria de me aprofundar nisso.”

Bebida Amarela da Mãe

  • Os Acontecimentos

Durante o filme, os espectadores menos preparados para tal experiência acabam presenciando cenas um tanto sem explicação. Mas tudo que está no filme tem um motivo para estar ali. Nada acontece por acaso e nada é “non-sense”. Cada pequena cena do filme possui um sentido. Não tenho como explanar sobre todos os acontecimentos do filme, senão não teríamos um post,e, sim, um livro. Portanto, irei tratar aqui apenas de alguns dos principais.

A briga entre irmãos

Bom, se você tiver entendido bem o fato do casal “invasor” se tratarem de Adão e Eva, essa cena fica muito mais clara. Adão e Eva, na Bíblia, tiveram 2 filhos: Caim e Abel. Sendo, Caim o irmão mais velho e Abel o mais novo. Pois bem, Caim mata Abel por ciúmes e é exatamente isto que acontece no filme, os filhos do casal brigam e o mais velho assassina o mais novo. Deus Javier, então, expulsa o filho mais velho de sua casa, assim como o Deus bíblico castigou Caim. Para completar, quando todos saem da casa e Lawrence fica sozinha, o filho mais velho retorna apenas para buscar sua carteira, demonstrando uma espécie de avareza.

Mãe!

– O incidente da pia

Esta cena passou muito despercebida. Isto porque ela não parece ter muita ligação com a metáfora bíblica ou coisa do tipo. Mas, engana-se quem pensa assim. Como eu disse, cada cena tem um significado e uma importância além do que parece. A cena da pia, faz com que jorre água para todo o lado na casa, fazendo com que a Mãe se irrite e todos os “convidados” saiam da casa. Esta é uma alusão ao dilúvio, quando Deus mandou uma imensa tempestade para “varrer” as pessoas más do planeta. No filme não é exatamente Deus quem faz com que a pia quebre, mas os convidados provocam isto. Ainda assim, pensando bem, o dilúvio bíblico foi provocado pelos humanos, então…

– A chegada de Eva e a quebra do “Fruto Proibido”

Voltando um pouco ao “início” do filme, na noite que Adão chega à casa d’Ele, ele acaba passando mal e vomita. Nesta cena é possível notar um corte exposto na região da costela do homem. No dia seguinte, sua mulher aparece. Exatamente como na Bíblia, Adão deu uma de suas costelas, para receber uma companheira. Além disso, pouco depois da chegada da esposa do homem, ela entra no escritório de Javier e olha a pedra tão preciosa para Ele. A mulher fica tão encantada que acaba quebrando o objeto e Ele expulsa o casal de seu escritório. Uma alusão ao fruto proibido da Bíblia e o banimento de Adão e Eva do paraíso.

Him - Mãe!

– A Confusão Devido Ao Texto de Deus

Depois que Ele escreve um poema lindo, que faz a Mãe chorar e tudo mais passa algum tempo, então chega sua assessora, que aqui representa a Igreja, e diz que irá publicá-la. A partir daí tudo se torna uma loucura. Diversos fãs d’Ele acabam chegando na casa, cada um com uma interpretação diferente e tudo começa a desmoronar. As pessoas começam a brigar, a tomar coisas da casa como se fossem suas, afirmando que “Ele disse para sentirem-se em casa”. Esta é uma perfeita alusão às religiões e às diferentes formas de se interpretar a bíblia.

Mãe!

– Comeram o Bebê?!

Como dito antes, o bebê que é filho da Mãe com Ele é uma representação de Jesus. Todos inicialmente desejam adorá-lo e tocá-lo. Mas, depois que a criança é entregue nas mãos do povo, elas começam a maltratá-lo, matam-no e comem sua carne afirmando estarem purificados por isso. Esta é uma cena muito pesada que impactou a todos. Mas, vendo do lado metafórico, ela é muito comum no nosso dia-a-dia. O acontecimento se trata de uma alusão ao rito eucarístico da comunhão, em que Jesus se disse pão e vinho e disse para que comessem seu corpo e bebessem seu sangue. É isso que acontece. Eu, como católico, estou muito acostumado com este rito, mas esta cena me fez enxergá-lo completamente diferente.

– O Caos Instaurado Na Casa

Quando a população invade a casa da Mãe e D’Ele, tudo começa a ficar louco, inúmeras cenas mostram um caos enorme. Mas, o mais impressionante nessa cena, é que ela mostra diversas pequenas coisas que aconteceram com o mundo. Como a escravidão, as guerras, os estupros, a venda de mulheres para prostituição, a desigualdade social, todos os problemas sociais são mostrados nesta cena, rapidamente. É uma incrível cena que trata quase do Apocalipse. O ápice é quando, após matarem o bebê, a Mãe desce até a caldeira no porão e coloca fogo na casa, matando a todos, menos Javier.

– O Renascimento da Mãe

Após o Apocalipse, a casa está completamente queimada e uma coisa curiosa acontece. Ele coloca as mãos no peito da Mãe e abre seu corpo até tirar algo de lá. O que ele tira de lá é exatamente a pedra que foi quebrado no início, por “Eva”. Em seguida, Ele refaz toda a casa num passe de mágica, reposicionando a pedra em seu escritório e temos uma cena exatamente igual a do início. Isto mostra um ciclo, como se tudo aquilo já tivesse acontecido antes, e estivesse apenas recomeçando por mais uma de muitas vezes. É incrível.

Mãe

É isto, pessoal! Esta foi uma “breve” análise de alguns aspectos confusos desta obra de Aronofsky. Espero mesmo que, após terem lido este texto, passem a enxergar o filme de uma outra maneira e compreendam sua mensagem. Darren quis, com este filme, deixar um alerta de que se não cuidarmos da “casa” que nos foi concedida, estaremos condenados. É um filme ambientalista, sim, com aspectos religiosos fascinantes.

Você assistiu à “Mãe!” ? O que achou do filme? Confuso? Conseguiu entender com este post? O que você acha que é a coisa amarela bebida por Jennifer? Comenta aí embaixo! =D
Lucas Gabriel

Estudante de Tecnologia da Informação, apaixonado por cinema, música e boas histórias de terror e drama! Adora discutir teorias malucas sobre séries ou filmes. Nerd assumido desde pequeno. Fã do Quentin Tarantino (inclusive acredita na teoria de que todos os filmes formam um só), Star Wars, Harry Potter, FRIENDS e filmes, como Laranja Mecânica, Donnie Darko e Nosferatu.