Melhores Filmes de Games: Príncipe da Pérsia – As Areias do Tempo

O cinema adora se aproveitar de ideias pra atrair mais público e não há fonte melhor que os Vídeo-Games. Porém, adaptar a história de um jogo não é tão fácil quanto se pensa e nem todos os filmes conseguem essa proeza. Tem vários filmes bons e ruins e aqui falaremos de um dos melhores que conhecemos.

Príncipe da Pérsia – As Areias do Tempo

Príncipe da Pérsia é um filme baseado na franquia de mesmo nome, tenta fazer algo surreal: Dar nome ao protagonista que até então não tinha.

A história é de um cara chamado Dastan que é príncipe adotivo da Pérsia e junto de seus irmãos é um grande conquistador, porém se destaca por dominar peripécias “parkurnescas”. Ele um dia acaba roubando uma adaga capaz de manipular o tempo ao despejar areias mágicas e conhece uma princesa com a qual vive suas aventuras ao estilo árabe.

Nos jogos, a ideia das areias temporais numa adaga surgiu no primeiro de uma trilogia lançada nos anos 2000. Mas antes disso, o jogo era focado em um cara que tentava alcançar uma princesa e pra isso, enfrentava Plataformas e Calabouços do castelo onde foi confinado.

Tanto na versão clássica quanto na mais atual, o gênero dos jogos era Aventura com Plataformas e um tiquinho de Ação, além de contar com muitos, mas muitos pulos e escaladas. Claro que muito da história é baseado no jogo “Sands of Time” da tal trilogia, mas trocaram criaturas monstruosas nascidas das areias amaldiçoadas por assassinos enfeitiçados e deram mais profundidade a história, além de expandirem para além do castelo, levando o príncipe por um longo passeio que no fim, gera uma perda ainda maior quando comparado a do jogo, quando o tempo é revertido.

Viagens no tempo são constantes, mas não são bem o foco. Dastan pode voltar no tempo mas apenas pra onde ele já estava e é limitado a areia que tem na adaga. Legal que isso ocorre no jogo, e no filme foi adaptado de forma bem funcional, prática e lógica, o que só consagra o brilhantismo dos responsáveis, que alias, foi a Disney.

Então no filme, além de darem nome ao personagem, fizeram dele um príncipe perito no parkour e rebelde que só. Extraíram a essência e aplicaram ao cinema, misturando tudo o que tinha nos jogos, mas sendo originais, criando algo novo e independentes…

Além de adaptar o tema, o filme desenvolve uma mitologia própria, criando novos elementos pra história, novos conflitos que nos jogos não haviam, como o relacionamento familiar dele, algo que posteriormente foi adaptado para as séries de jogos, como o irmão conquistador sendo incluído na trama de Forgotten Sands (a versão  de Xbox 360, PS3 e PC). É assim que você consegue saber quando um filme é eficiente em sua adaptação, quando ele consegue influenciar a obra que o influenciou.

Infelizmente, nos jogos o príncipe jamais teve nome, tanto antes quanto depois do filme, e mesmo ele tendo sido batizado como Dastan, isso não ocorre oficialmente no mundo virtual. Entretanto, com uma qualidade de filme de Aventura excepcional e uma fidelidade ao tema de dar inveja a qualquer adaptação meia boca, Príncipe da Pérsia consegue ser um dos melhores filmes de games da história.

E pra quem o considera cânone, pelo menos no sentido nominal, da pra chamar o príncipe de Dastan.

É isso.

Espero que tenha gostado.

Mais Postagens:

Fernando Max

Eu gosto de escrever sobre tudo usando minha perspectiva. Não me importo com spoilers então não os poupo, mas estou fazendo um esforço pra evita-los para o melhor proveito de vocês.