O Batman ainda mais obscuro de Darren Aronofsky que não chegou aos cinemas

O ano era 2006 quando Darren Aronofsky reuniu-se com Frank Miller, autor do melhor quadrinho do Homem-Morcego já criado e que serviu como base para praticamente todos os filme do ‘Batman’ desde então, ‘O Cavaleiro das Trevas’. A obra de Miller foi primordial para a aclamada trilogia de Christopher Nolan, que começou com o ‘Batman Begins’ e levou o mesmo nome do icônico quadrinho nos dois filmes subsequentes. Essa história a gente já sabe como acabou, fomos apresentados a um dos melhores filmes de super-heróis de todos os tempos (Batman: O Cavaleiro das Trevas), ao vilão mais icônico e respeitado super-vilão do cinema (Coringa, Heath Ledger). Mas qual teria sido a tal visão particular de Aronofsky? “Muito mais escuro. Eu acho que a versão do Nolan foi mais o que o estúdio queria”, admite o diretor.

Com o título provisório de ‘Batman: Year One’, mas para o mesmo projeto da trilogia do Nolan, houveram dois roteiros em que o diretor trabalhou, que queria Joaquín Phoenix no filme, e que propunham duas diferenças substanciais que foram decisivas para o não convencimento do estúdio: Uma versão afro-americana do Alfred trabalhando como mecânico e um Bruce Wayne completamente diferente do bilionário sedutor que conhecemos com um anel com as iniciais de seu pai como arma para assassinar os criminosos de Gotham. No mínimo um Batman que estaria gerando discussões fervorosas até hoje.

Apesar da negativa da Warner Bros. para a visão extremamente obscura do diretor, Darren dirigiu com carta branca ‘The Fountain’ no mesmo ano. “Ele foi o filme que realmente queria para fazer”, ressalta Darren deixando clara a confiança do estúdio. Darren Aronofsky já deixou claro em várias ocasiões o desejo que tem em dirigir um filme do gênero de ‘O Cavaleiro das Trevas’ e inclusive teve seu nome vinculado à ‘Wolverine’ e ‘The Man of Steel’.

Ficou curioso para ver esse Batman sanguinário nas telonas? Deixe nos comentários!

Mais Postagens: